segunda-feira, 25 de agosto de 2014

XXXIII - Amor Obscuro

| |


Acordo com a claridade, que entra pela janela, batendo em meu rosto e abro meus olhos lentamente. Sinto algo aquecer meu rosto e noto que estou com o rosto colado no peito de Nicholas. Levanto lentamente para não acordá-lo e sento na cama. Vejo que já são 11h00 da manhã no despertador do criado-mudo. Observo atentamente seu sono. Está tão lindo e tranquilo, que dá pena de acordá-lo. Realmente precisamos conversar. Não podemos mais ficar do jeito que estamos. Eu e ele longe um do outro, sofrendo do jeito que estamos. Em toda minha vida, nunca imaginei que Nicholas fosse capaz de beber tanto como ontem. Ele é sempre tão controlado. -Controlado com você, lindinha, mas com ele mesmo não tem controle nenhum.- Diz meu subconsciente e sorrio. Realmente ele tem razão. Nicholas é um descontrolado. E por mais que eu tenha achado lindo vê-lo cantando para mim, não me agrada que estava bêbado. Não quero o mal dele, e sei que bebeu porque está sentido com alguma coisa.
Mas seja o que for precisamos resolver, principalmente nos resolver. E sinceramente, desejo do fundo do meu ser que isso aconteça. Por mais que tenha perdido a confiança em Nicholas, eu o quero mais que tudo. Esse dias sem ele tem sido um inferno. Parece que o mundo não é mais o mesmo quando não estou com ele. Ele conseguiu matar aquela Selena de antigamente, que sabia viver ser ter namorados. Eu só sei que preciso dele. O amo e estou disposta a tentar mais uma vez, e se acontecer de ficarmos juntos outra vez, farei de tudo para não acabar nunca mais. Tem que acontecer, meus Deus! -Tem que acontecer não, vai acontecer, pensamento positivo, Gomez!- Meu subconsciente dá as caras e estranhamente está amigável. Ele tem razão, preciso ser otimista. Vou esperar que acorde e assim teremos uma longa conversa. Respiro resignada e sorrio como uma boba, admirando Nicholas enquanto este continua a dormir.
Permaneço olhando Nicholas um bom tempo até que sinto algo vibrar em meu corpo, me assustando. Coloco a mão no bolso da calça e vejo que é meu BlackBerry. Olho no visor e vejo que é Demi. Saio da cama lentamente e me dirijo até o corredor para atender.
– Fala, Demi. - Murmuro.
– Selly, você precisa vir para casa urgente. - Sinto o desespero em sua voz e me assusto.
– Demi, o que aconteceu ? - Pergunto preocupada.
– Vem rápido pra cá. - Ela diz e desliga.
Olho pro celular sem entender nada. Ai meus Deus, que será dessa vez ?! Respiro fundo e entro no quarto novamente. Olho indecisa para Nicholas dormindo e bufo. E agora ? Preciso ir ver Demi, mas não quero adiar mais essa conversa. Penso por um longo tempo e por fim, dou um beijo na testa de Nicholas e saio do quarto. Tomara que seja bem importante o que Demi tem pra dizer, pois estou deixando minha vida pra trás por causa disso. Assim que chego na sala, dou de cara com um Taylor e uma Gail, totalmente embasbacados e pelo jeito acho que estou super corada.
– Bom dia. - Sorrio sem graça.
– Bom dia. - Eles respondem atônitos.
Antes que eles me perguntem o que estou fazendo ali, sigo para o elevador e desço. Assim que chego no meu carro, jogo meu BlackBerry na bolsa, que deixei no banco de trás do carro e saio do Escala. Corro bastante pela pista até que minutos depois chego no prédio e saio como uma maluca do carro. Corro até meu apartamento e entro como um furacão em casa, à procura de Demi. Acho-a em seu quarto, olhando estática para a cama.
– Demi, o que houve? - Pergunto, ofegante pela corrida.
Ela desperta de seu transe e olha pra mim, franzindo a testa para o estado em que me encontro.
– Você está um trapo. -Diz e fecho a cara pra ela. – Mas ainda bem que você chegou. Hoje é o grande dia e estou surtando, pois não tenho nada pra vestir. - Diz e sinto meus instintos assassinos aflorarem dentro de mim.
– Como é que é ? - Pergunto a beira de um surto.

– É isso que você ouviu, tenho esses dois para vestir, mas não sei qual. - Diz e direciono meu olhar para onde ela aponta.
Vejo os dois vestidos lindos, que compramos no shopping no meio da semana, em cima de sua cama e fecho meus olhos. Conto até vinte para me segurar, mas falho na tentativa.
– EU NÃO ACREDITO QUE VOCÊ ME FEZ CORRER COMO UMA LOUCA POR CAUSA DESSA BOBAGEM. - Grito e ela se assusta. – NÃO ME OLHA COM ESSA CARA! VOCÊ ME LIGA DESESPERADA, ME DEIXA SUPER AFLITA E QUANDO VEJO É POR CAUSA DE VESTIDOS ? - Ela me olha sem graça. – PORRA, DEMI! - Me jogo na cama, deitando em cima dos vestidos e tampo meu rosto com as mãos.
Espero ela reclamar por eu estar em cima dos vestidos, mas isso não acontece. Deve ter percebido o quanto estou com chateada.
– O que aconteceu ? - Pergunta baixinho.
– Nada. - Rosno.
– Como nada ?! Você não é acostumada a dar chiliques, Selena. O que houve ? Conta pra mim ? - Pede mansamente. Continuo calada até que uma nuvem de choro me invade e deixo-me levar por elas. – Gomez, me conta ? - Não respondo e continuo a chorar até que me acalmo um pouco.
Tiro minhas mãos do rosto e seco minhas lágrimas. Vejo que sentou na cama e sento também.
– Ai Demi, eu nem sei por onde começar. - Digo.
– É o Jonas, né ? - Olho para ela e vejo um sorrisinho terno em seus lábios. Balanço a cabeça em concordância e bufo. – Me conta ? Você sabe que pode desabafar comigo. - Diz e prende uma mecha de cabelo atrás da minha orelha.
– Eu o amo muito. - Digo.
– Eu sei.. e pelo visto ele também te ama muito. - Diz, para o meu espanto e ela ri ao perceber minha cara. – Ai Gomez, eu vi como ele estava ontem. Não é típico do Nicholas ficar daquele jeito, ainda mais por uma mulher. Detesto admitir isso, mas esse cara te ama e muito e acho que você deveria dar uma segunda chance à ele. Pelo menos conversar. - Diz.
– Era isso que eu iria fazer, se você não me ligasse desesperada por uma bobagem. - Resmungo.
– Desculpa. - Ela sorri sem graça e eu permaneço com minha carranca. – Mas voltando ao assunto... eu não seu o que houve entre vocês dois e acho o Jonas esquisitérrimo, mas vejo o jeito que você está. Apesar de sorri quando conversamos, você não é mais a mesma. Pensa direito no que é melhor pra vocês. - Diz.
– Eu sei, pretendo fazer isso. Agora só espero que não seja tarde demais pra isso né. - Murmuro.
– Deixa de ser boba, Gomez. - Ela me repreende e assim cravo meus olhos nela.
– Não é que eu esteja sendo boba, mas percebi realmente que preciso dele em minha vida e não quero perdê-lo. Eu amo ele, Demi. E esses dias que tenho passado longe dele é devastador. Não te contei, mas na exposição do David, nos encontramos no banheiro e ele me beijou. Mas foi um beijo tão gostoso, tão fervoroso e foi aí que eu percebi o quanto sentimos falta um do outro, do quanto preciso dele. Ele me falou que tinha mudado, mas a idiota aqui fugiu, sem ao menos escutá-lo. - Ela me olha, me olha e me olha sem dizer um ''ai''.
– O que aconteceu entre vocês ? - Pergunta olhando nos meus olhos e sinto meu corpo petrificar.
Não posso contar nada. Se souber a metade, mudará todo seu discurso de ''perdoa o Jonas''. Engulo em seco e digo a primeira coisa que me vem à mente.
– Brigamos porque a ex dele apareceu na festa de aniversário dele. - Suspiro aliviada ao perceber que acredita no que digo.
Até porque eu não estou mentindo, a ex dele esteve lá mesmo, só que era ex submissa!
– Ele convidou ? - Pergunta.
– Não. - Digo.
– Tem certeza que é só isso ? Porque não vi nada demais para dar no que deu. - Diz desconfiada.
Entorto a boca e começo a pensar em algo que ela realmente acredite.
– O modo que ele olho para ela, me irritou. - Digo por alto o que aconteceu.
– Vem cá, é aquela que estava conversando com ele na hora em que te contei do casamento? - Pergunta.
Que mente boa ela tem! Balanço a cabeça positivamente e ela bufa.
– Sabia que tinha algo errado com aquela fulana! - Resmunga. – Se é só isso, aconselho que vocês conversem e se resolvam. Não tem porque ficar longe um do outro por uma bobagem. - Ela levanta da cama e para na minha frente. – E sobre esse olhar aí que você diz ter visto, isso não é nada comparado ao vê-lo cantar uma canção linda de Elvis Costello em um bar. - Diz zombeteira, arrancado sorrisos de mim. – Aproveita a noite de hoje. Ele estará na festa. - Pisca sugestivamente e já sinto a aflição crescer entro de mim. – Agora sai de cima do meu vestido. - Ordena e assim eu o faço. – Então, qual você escolhe ? - Aponta pra os dois.
– O segundo. - Digo resignada.
– Hum, eu sabia que você tinha bom gosto. - Zomba e caímos na gargalhada.
– Os dois são lindo, sua boba. - Digo e mostro a língua para ela.
– Não esqueça que temos hora marcada no salão hoje, hein. - Diz e me assusto ao lembrar que ela é cliente do Esclava.
– O Esclava ? - Pergunto alarmada.
– Não, não consegui hora pra hoje nesse daí. E é até bom, pois imagino que não queira ir lá. - Diz com uma sobrancelha arqueada. Franzo a testa em confusão e ela ri. – Notei os seus olhares para com a Elena Lincoln na festa do Nicholas, baby. - Diz com um sorrisinho arrogante nos lábios e assim sorrio sem pudor. Ainda bem que ela sacou que eu não gosto daquela bitch! – Vamos, ande logo! Vá tomar banho. - Me dá uma tapinha na bunda, arrancando gargalhada de nós duas e vou para meu quarto.
Entro diretamente no banheiro e tomo um banho fresquinho e relaxante. Sorrio feito uma idiota ao cogitar a possibilidade de ver Nicholas. Ai, só de pensar que ele pode voltar pra mim, sinto as borboletas adormecidas em meu ser levantarem voo. Depois de longos minutos saio do banho e sigo para o closet. Me arrumo basicamente e saio do mesmo.
Deixo meus cabelos soltos, pego minha bolsa e saio do quarto. Encontro Demi à minha espera na sala e assim saímos do apartamento.


***
Depois de passar a tarde toda na rua, voltamos para a casa com a noite chegando. Demi vai para seu quarto e eu sigo para o meu. Tomo outro banho e assim saio para me arrumar. Coloco o vestido, que escolhi para ocasião, calço meus sapatos e assim sigo para o espelho para me maquiar. O cabelo continua perfeito, desde que sai do salão e quando termino de me arrumar, dou uma olhada no espelho.
Uau, essa nem parece eu! Rio com meu pensamento e assim Demi adentra como um furacão. Pasmo ao olhá-la de cima até embaixo.
– Gata, casa comigo! - Digo zombeteira e assim rimos. – Mas é sério, você está um arraso, amiga. - Digo e seu sorriso se abre mais, se é que isso é possível.
– Para de graça, Gomez! - Diz, levemente corada. – Vamos, que o Julian está nos esperando na sala. - Avisa.
– Julian ? - Pergunto confusa.
– É Selena, o Julian, nosso vizinho, aquele que eu convidei para a festa. - Diz e ri da minha cara de idiota.
Mostro a língua e seguimos para a sala, rindo.
– Uaaaaaaau, que lindas! - Julian diz, assim que nos vê.
Demi dá giro, toda sorridente e se achando o ultimo biscoito do pacote.
– Você também não está nada mal. - Digo, analisando-o em seu terno preto.
Ele ri e faz um aceno de cabeça, em concordância.
– Vamos então. - Ele estende os braços para nós, que o pegamos e assim saímos do apartamento.


***
Chegamos ao imenso jardim do Jonas. Está tudo lindo, repleto de mesas espalhadas por todos os lados, cobertas por toalhas de cor marfim. Há também um palco improvisado e uma pista de dança provisória. Logo Joseph aparece em nosso campo de visão e pega Demi em um longo e apaixonado beijo. Julian e eu só observamos a cena, constrangidos. Ao se afastar de Demi ele nos olha e sorri.
– Desculpa gente, mas estava com saudades dessa mulher. Achei até que ela tivesse desistido de mim. - Ele diz manhosamente e faz biquinho, arrancando sorrisos de todos nós.
– Para de graça, seu bobo. Jamais faria isso com meu amor. - Demi diz toda derretida e assim voltam a se beijar.
Olho para Julian, encolho os ombros e assim ele ri. Demi e Joseph se separam e nos olha encabulados. Dou de ombros novamente. Em seguida Joseph nos guia até uma mesa e desaparece com Demi, restando só eu e Julian. Observo a multidão à procura de alguém conhecido, mas precisamente Nicholas, mas não o vejo. Estou nervosa demais só em pensar que a qualquer momento ele irá aparecer. Logo Zac aparece e me pega em uma dos seus abraços calorosos. Apresento ele e Julian e logo ele sai arrastado por uma loira. Em seguida, Joseph aparece no palco juntamente com Demi, apresentando-a como sua noiva e assim o salão inteiro os aplaude. Depois de alguns minutos se declarando um para o outro, eles saem do palco dando inicio para a abertura pista de dança e assim o DJ aparece com a corda toda.
– Vamos dançar um pouco ? - Julian pede.
– Oh, sim. - Digo e assim nos levantamos.
Deixo minha bolsa em cima da mesa e seguimos para a pista de dança. Assim que colocamos os pés na pista de dança Let me love you de Ne-yo começa a tocar e Julian e eu nos embalamos no ritmo da dança.
A pista está cheia de gente, um esbarrando no outro, fazendo assim com que eu e ele fique próximos demais. Depois de mais três musicas, decido sair da pista e tomar um ar. Julian pega duas taças de champanhe quando o garçom passa por nós e me entrega uma. Bebo tudo em um gole só sob os olhos dele.
– Selly, você é muito especial. - Diz e arqueio uma sobrancelha. Onde ele quer chegar com isso? Percebendo minha cara, ele solta uma risada. – Calma, gatinha. Não estou flertando com você. Eu até já fiz isso outras vezes, mas não agora. Só quero que saiba que você é uma garota boa e muito especial pra mim. - Aceno a cabeça em concordância e sorrio. – Eu não vou negar que quis que fosse minha garota já. - Ri de si próprio e volta a me olhar. – Mas não é de mim que você gosta. Quero dizer, você até gosta de mim sim, mas só como amigo. E vi que não tenho chances com o figurão do bar por perto. - Concordo novamente de cabeça. – Apesar de não ter acontecido o que eu desejei, eu gosto de ter sua amizade e fico feliz por isso. - Diz sorridente.
– Obrigada pelas belas palavras, mas.... aonde você quer chegar? - Pergunto inquieta.
– Quero dizer Selly, que hoje é minha ultima noite aqui em Seattle e gostaria de aproveitá-la com você e com Demi, minhas únicas amigas que fiz desde que cheguei aqui. Mas acho que ela não poderá fazer isso por mim né, e faz bem. Hoje é o dia do noivado dela, tem mais que aproveitar com o noivo. - Diz e pasmo.
– Como assim ultima noite? - Pergunto assustada.
– A empresa para a qual eu trabalho pediu que eu voltasse para Nova Iorque. - Dá de ombros.
– Oh, porque você não me disse isso antes ? - Pergunto estranhamente entristecida. Apesar de não gostar dele como homem, gosto como amigo e um grande amigo.
– Fui informado no dia da exposição, por isso não pude ir. Tive que resolver os trâmites da viagem. - Diz. Continuo a olhá-lo com a cara entristecida e ele sorri. – Oh, menina não faz essa cara vai ? - Diz e me abraça. – Vou sentir falta das corridas e das conversas. - Ele diz, acariciando minhas costas.
– Eu também. - Digo, consternada.
Depois de um longo abraço, ele beija minha bochecha e me solta.
– Mesmo triste com sua partida, lhe desejo tudo de bom amigo. - Abro um sorriso para ele, que retribui.
– Eu sei. - Ele pega minha mão e a beija com carinho. – Mas chega de tristeza, vamos aproveitar o resto da noite! Vamos dançar porque quero curtir a noite e como só conheço você e Demi aqui, terá que ser com você mesmo.- Diz e me puxa pela mão para a pista de dança novamente. Olho preocupada para todos os lados, a procura de Nicholas, mas nada.
***
Danço várias musicas com Julian até que Give me love de Ed Sheeran começa a tocar. Me recuso a dançar essa musica com ele, pois me lembra um certo alguém de olhos cinza. Essa musica é nossa! Deixo Julian dançando com uma mulher que não parava de olhar para ele, saio da pista e paro em um canto da festa, observando o fluxo de pessoas. Não vi Nicholas ainda, será que ele vem mesmo? Porque você não aparece, baby?! Preciso tanto ver você, falar com você! Bufo em desespero e permaneço olhando por um longo tempo até que Julian aparece em meu campo de visão.
– Procurando alguém ? - Pergunta sorridente, atraindo minha atenção, e sem conseguir mentir, sorrio. – Ele virá aqui hoje? - Pergunta e dou de ombros. Ele sorri e me olha pensativo. – Ele parece gostar muito de você. - Diz, me surpreendendo. – E eu já percebi que você gosta muito dele também. - Pisca. – Ele tem sorte de ter uma garota como você viu, Selly. - Diz. – Fique tranquila, ele não vai desistir de você. Só se for muito burro. - Ri e o acompanho.
– E você hein, eu vi você e Claire ontem - Pisco e ele rir. – E Demi também me falou que você a levou para a casa. - Digo antes dele falar algo.
– É, ela é bem bonita. Mas não vai rolar, ela tem namorado e eu estou de partida. - Diz. – Selly, você me dá licença, preciso ir ao banheiro. - Assinto de cabeça e assim ele sai.
Sorrio ao observar seu percurso, mas logo algo me chama atenção. Viro para ver o que é e dou de cara com Denize, Paul e Vanessa, que está muito séria por sinal.
– Selly, que bom te ver. - Denize me cumprimenta com seu abraço confortante.
– Olá Denize, é muito bom te ver também. - Digo com um dos meus melhores sorrisos.
– Está muito linda por sinal, Selly. - Diz Paul ao me abraçar.
– Obrigada, o senhor também está muito bonito. - Digo e ele rir
– Oi Vanessa. - Cumprimento-a um pouco receosa.
– Que oi o que, como você faz isso? - Diz brava e me espanto. O que eu fiz?
– Vanessa. - Denize a repreende. Vanessa então, se vira para a mãe e franze o cenho.
– Nem vem com essa história de Vanessa, mãe. - Ela se vira pra mim. – Como você pôde trazer um namorado, sabendo que Nicholas estaria aqui. - Me fuzila com os olhos.
– Namorado ? - Digo e franzo a testa. Ela cruza os braços, bate o pezinho no chão e me olha com a cara mais emburrada ainda. – Está falando do Julian? - Pergunto e rio ao perceber de quem se trata. Ela bufa. Sem me conter solto uma gargalhada de jogar a cabeça para trás. Assim que recomponho, volto meu olhar para ela. – Desculpa. - Peço rindo ainda e noto que Denize está se contendo para não se juntar a mim. Pigarreio e tento parar de rir. – Julian não é meu namorado. É um amigo. - Digo.
– Um amigo que te abraça, te da beijinhos, dança com você a noite toda. - Diz sarcasticamente.
– É porque ele não conhece ninguém mais aqui, além de Demi e eu. E o abraço foi porque estávamos nos despedindo um do outro. - Ela agora me olha confusa. – Julian está indo embora da cidade e hoje é a ultima noite dele aqui. - Digo e ela visivelmente solta um suspiro de alivio.
– Ai que bom. - Diz e sorri. – Desculpa pelo modo que falei? - Pede, sem graça e balanço a cabeça em concordância. Ela então me abraça e beija minha bochecha, se afastando em seguida. – É que eu pensei que você já estivesse esquecido meu irmão. - Diz sorrindo. – À propósito, você não esqueceu ele não, né? - Ruborizo violentamente ao perceber os olhares de Denize e Paul em minha direção. – Responde, Selly! - Vanessa sorri maliciosamente para mim.
Abro a boca para responder, mas graças a Deus sou interrompida por alguém que começa a falar do palco. Direcionamos nossos olhares para o mesmo e paraliso ao ver que Nicholas está sentado ao piano. Onde ele estava esse tempo todo, que não o vi? E o que ele faz ali?

– Então senhoras e senhores, esse senhor irá tocar e cantar dedicada a um certo alguém. Não quis informar qual pessoa é, pois a pessoa sabe do que se trata. - Diz um homem ao microfone e sai do palco.
Nicholas se ajeita no palco e logo a melodia de When I Was Your Man de Bruno Mars começa a ecoar pelos ares. Logo a voz de Nicholas toma os ouvidos de todos, principalmente os meus.
Same bed, but it feels just a little bit bigger now
(A mesma cama, mas parece um pouco maior agora)
Our song on the radio, but it don't sound the same
(Nossa canção no rádio, mas ela não soa como antes)
When our friends talk about you
(Quando nossos amigos falam sobre você)
All that it does is just tear me down
(Tudo o que isso faz é me arruinar)
Cause my heart breaks a little
(Porque meu coração se parte um pouco)
When I hear your name
(Quando ouço o seu nome)
And all just sounds like ooh, ooh, ooh, ooh, ooh
(E tudo soa como oh, oh, oh, oh, oh)

Too young, too dumb to realize
(Jovem demais, tolo demais para perceber)
That I should've bought you flowers and held your hand
(Que eu deveria ter lhe comprado flores e segurado sua mão)
Should've give you all my hours when I had the chance
(Deveria ter lhe dado as minhas horas quando tive a chance)
Take you to every party
(Ter levado você a todas as festas)
Cause all you wanted to do was dance
(Porque tudo o que queria era dançar)
Now my baby is dancing, but she's dancing
(Agora minha garota está dançando, mas está dançando)
With another man
(Com outro homem)

My pride, my ego
(Meu orgulho, meu ego)
My needs and my selfish ways
(Minhas necessidades e meu jeito egoísta)
Caused a good strong woman like you
(Fizeram uma mulher boa e forte como você)
To walk out my life
(Sair da minha vida)
Now I never, never get to clean up
(Agora nunca, nunca conseguirei limpar)
The mess I made
(A bagunça em que eu fiz)
And it haunts me every time I close my eyes
(E me assombra sempre que fecho meus olhos)
It all just sounds like ooh, ooh, ooh, ooh, ooh
(Tudo isso soa como oh, oh, oh, oh, oh)

Too young, too dumb to realize
(Jovem demais, tolo demais para perceber)
That I should've bought you flowers and held your hand
(Que eu deveria ter lhe comprado flores e segurado sua mão)
Should've give you all my hours when I had the chance
(Deveria ter lhe dado as minhas horas quando tive a chance)
Take you to every party
(Ter levado você a todas as festas)
Cause all you wanted to do was dance
(Porque tudo o que queria era dançar)
Now my baby is dancing, but she's dancing
(Agora minha garota está dançando, mas está dançando)
With another man
(Com outro homem)

Although it hurts
(Apesar de doer)
I'll be the first to say that I was wrong
(Serei o primeiro a dizer que eu estava errado)
Oh, I know I'm probably much too late
(Oh, sei que provavelmente estou muito atrasado)
To try and apologize for my mistakes
(Para tentar me desculpar pelos meus erros)
But I just want you to know
(Mas eu só quero que você saiba)
I hope he buys you flowers, I hope he holds your hand
(Espero que ele lhe compre flores, que ele segure sua mão)
Give you all his hours when he has the chance
(Que lhe dê todas as suas horas quando tiver a chance)
Take you to every party cause I remember
(Que leve você a todas as festas porque eu me lembro)
How much you loved to dance
(De quanto você amava dançar)
Do all the things I should've done
(Que faça todas as coisas que eu deveria ter feito)
When I was your man
(Quando eu era o seu homem)

Do all the things I should've done
(Que faça todas as coisas que eu deveria ter feito)
When I was your man
(Quando eu era o seu homem)
Meu Deus, não acredito no que acabo de ouvir. Foi para mim essa musica! Como uma despedida. Ele está desistindo de mim?! Não, não pode ser. Ele não pode fazer isso! Eu não posso deixar isso acontecer. Prendo o choro, que insiste em sair, em minha garganta, pois sei que os olhares de Denize, Paul e Vanessa estão cravados em mim. Permaneço estática ao observar Nicholas descer do palco e sair entre a multidão. Respiro com dificuldade e sem perceber, deixo uma lágrima escapar.
– Com licença. - Digo atordoada, seco a lágrima e ando perdida. Paro de um súbito e viro-me para os três que estavam me acompanhando. – Diz ao Julian que eu estou indo. - Viro sem esperar a resposta e ando sem direção, à procura de Nicholas.
Ando por entre as pessoas, que estão alheia ao que se passa, até que vejo Taylor e me aproximo dele a passos largos.
– Taylor, cadê o Nicholas? - Pergunto.
– Eu não sei, Selly. Ele saiu, sem dizer nada. Disse que precisava ficar sozinho. - Diz e me olha consternado.
– Ele foi para o Escala? - Pergunto aflita.
– Não disse nada. - Bufo exasperada. Merda! Percebendo minha aflição, Taylor completa: – Acredito que não tenha ido para lá. - Solto um suspiro longo.
– Obrigada Taylor. - Agradeço.
Vou até a mesa onde fiquei sentada durante a festa, pego minha bolsa e assim saio da festa. Ando até a rua e espero por um taxi. Depois de longos minutos, um dá o ar da graça e aceno para que pare. Entro e assim saio da Bellevue, direto para a Pike Market.
Chego em frente ao meu prédio, pago o taxista e me viro para entrada de meu prédio. Congelo ao me deparar com Nicholas sentado no portão. O que ele faz aqui? Meu coração começa a bater acelerado, junto com minha respiração. A cada vez que me aproximo, ele levanta seus olhos e me fita.
– Nicholas, o que faz aqui ? - Pergunto num fio de voz.
– Vim lhe entregar isso. - Ele ergue um molho de chaves. Oh, não! Não é possível. São as chaves do meu apartamento. – Não tenho o direito de permanecer com isso. - Diz, impassível. Pego as chaves lentamente e assim ele enfia as duas mãos no bolso. Permanecemos olhando um para o outro por um longo tempo. Por fim, ele suspira e quebra o silêncio. – Tenha uma boa noite, Selena. - Diz e se vira rapidamente para se afastar.
– QUE MERDA, JONAS! - Grito e ele paralisa, se virando de frente pra mim em seguida. – É isso mesmo? Canta aquela linda canção de despedida e me vem com um ''tenha uma boa noite, Selena''. - Digo exasperada. – Eu não acredito no que está acontecendo! - Rio de nervoso. – Diz que me quer e desiste tão fácil ?! - Pergunto.
– Selly, eu te observei a festa toda e vi você dançando com ele. Vi tudo o que aconteceu entre vocês dois e compreendi que está havendo algo entre vocês dois. - Rosna.
Olho-o boquiaberta e abro meus braços de tão perplexa que estou.
– Ah, quer dizer que você tira suas próprias conclusões, que por sinal são precipitadas por demais e faz isso? Desiste? - Pergunto perplexa.
– Selly, ele te deu flores. Coisa que eu nunca te dei. Ele faz você rir e eu só te fiz sofrer. - Diz com azedume.
– Não é verdade. - Sinto a enxurrada de lágrimas me invadi e deixo-as sair livremente. – Você me fez muito feliz, Nicholas. Tivemos nossos contratempos, mas... - Levo as mãos no rosto e um soluço escapa de minha boca. Respiro fundo te tiro minhas mãos do rosto. – Você vai desistir de nós ? - Sussurro entristecida.
Ele me olha com a testa franzida.
– Selly, o que você quer que eu pense? Você não quis me escutar na exposição, saí para um bar com um cara, o qual você corre todos os dias, eu vejo você dar vários sorrisos para ele e fico louco ao ponto de cantar para você. Aí você me leva para casa e foge na manhã seguinte, sem dar uma explicação e me aparece em uma festa na casa dos meus pais com o mesmo babaca, dança com ele a noite toda e ele te abraça carinhosamente, cheio de cuidado com você. Eu não sou cego, por mais que eu odeie essa decisão, não posso te forçar a dar uma segunda chance para um merda como eu. Eu que errei em não perceber o que estava perdendo a tempo. Você merece ser feliz e se é desse jeito, só me resta aceitar. - Diz com a voz sofrida.
– Não! Você entendeu errado, baby. Eu não tenho e nem terei nada com o Julian. Ele é só um amigo. - Me aproximo mais dele e levo minhas mãos ao seu rosto, fazendo-o olhar em meus olhos. – Eu continuo amando você do mesmo jeito. Eu sei que fui uma tola pelo modo que te tratei na exposição, eu estava com receio... - Digo e ele me interrompe.
– Receio de que? - Pergunta.
– Eu não sei.. eu só pensei em fugir para não cair em tentação. - Digo num sopro. – E sobre hoje de manhã, eu não fugi. Eu ia ficar para conversarmos e nos entendermos, mas Demi me ligou desesperada e assim eu tive que sair sem dar explicação. Mas eu queria ter ficado, baby. - Digo e ele me olha com um certo ceticismo.
– Sério ? - Pergunta aflito.
– Sério. - Digo e vejo um esboço de um sorriso em seu rosto.
Sem pensar em mais nada, me lanço em seus braços e tomo sua boca em um beijo lascivo e cheio de paixão. Ele passa suas mãos por minha cintura, me apertando contra si, retribui na mesma intensidade e assim nossas línguas dançam num tango perfeito. Assim que separamos nossas bocas em busca de ar, olho-o nos olhos. Acaricio seu rosto com uma mão só e ele encosta nossas testas.
– Selly, é sério isso tudo que você disse ? - Pergunta, apreensivo. – Eu vi você com ele e... - Coloco a mão na boca dele e sorrio.
– Julian é só um amigo, Nicholas. Nunca houve nada demais entre nós dois. Fiquei o tempo todo perto dele porque ele não conhecia ninguém ali, sem ser eu e Demi. - Falo, como se estivesse falando com uma criança de cinco anos e relaxa visivelmente.
Dou um selinho nele e sorrio. Ele me aperta em seu abraço, como se sua vida dependesse disso e sinto o seu desespero. Meu pobre menino maluquinho! – Volta pra mim ? - Dou um beijo em sua bochecha, perto do ouvido e ele suspira. Afasta-se um pouco para trás e me fita pensativo por um longo tempo.
– Selly, antes de tudo eu preciso que venha comigo até um lugar. - Pede resignado.
– Aonde? - Pergunto com a testa franzida.
– Sei que você não confia em mim, mas preciso que você venha comigo. - Diz seriamente. – Você vem ? - Pergunta olhando nos meus olhos.

E agora? Devo ir ou não ? O que será que ele está escondendo? ....


Meninas desculpa. Minha conta tava dando Problema. Ja foi resolvido.

Divulgação Especial pra minha Gattona Tania. Passem la, vale a pena.

Comentários... :)


Creditos Angel

2 comentários:

  1. Anwwww que coisa fofa
    Sel tem que confiar no Nick
    Posta logo

    ResponderExcluir
  2. ~awn~ que perfeito! Posta logo ♥

    ResponderExcluir