quarta-feira, 20 de agosto de 2014

XXVII - Amor Obscuro

| |




Tomo meu banho lentamente, limpando tudo o que é partículas de meu corpo. Quando sinto-me limpa e revigorada, saio e me enrolo na toalha. Vou até o closet e pego o vestido que comprei mais cedo, vestindo-o em seguida. Pego o secador e as sandálias em minha mala e sigo para o banheiro. Paro em frente ao espelho e seco meus cabelos, deixando-os cair em uma cascada de cachos. Passo uma maquiagem bem detalhada, calço os sapatos e fito meu reflexo no espelho. -Nossa, que gata.. MIAAAU!– Minha deusa interior ronrona e mostra as garrinchas, como uma predadora. Sorrio satisfeita com o resultado e volto para o quarto.
Assim que chego no quarto dou de cara com Christian, que paralisa e me analisa da cabeça ao pés.
– Está linda! - Ele diz, subindo o olhar até o meu e com um sorriso enorme nos lábios. Em seguida desvia o olhar para o quarto e analisa as paredes – Assim como o quarto. Está magnífico! Você tem talento, Selena. - Diz com admiração nos olhos.

– Obrigada, senhor Jonas. - Digo e ele fecha o sorriso, voltando o olhar para mim. Analiso seu corpo, que veste um terno sob medida, com  gravata . – O senhor também não está nada mal. - Digo e volto meu olhar para o seu.

Ele bufa enquanto vem até a mim, para em minha frente e pega meu rosto em suas mãos.

– Até quando vai continuar com esse joguinho ?- Pergunta, com a testa franzida.

Permaneço muda e olhando em seus olhos. Ele continua a espera de uma resposta e resolvo ceder. Levo as mãos em seu rosto e dou um beijo casto em seus lábios, mas logo afasto um pouco o rosto para olhá-lo.

– Pronto para sua festa? - Sorrio e ele me acompanha.

– Não. Estou um pouco nervoso com isso. - Diz com o olhar um pouco aflito.

– Porque? - Pergunto, surpresa com isso.

– Não sei. É a primeira vez que me sinto assim em um aniversário meu. - Diz e da de ombros.

– Está feliz? - Pergunto.

– Sim. - Diz e abre um sorriso de garoto, fazendo meu coração derreter. Como amo esse sorriso! Ops... não, não .. isso não! Repreendo-me mentalmente. Ele desce suas mãos até minha cintura e me abraça, tomando minha total atenção. – Estou muito feliz. - Diz, olhando em meus olhos.

Sorrio e distribuo beijinhos pelo seu rosto.


– Vamos então? - Pergunto e ele assente de cabeça. Ele toma minha mão para sairmos, quando lembro do presente e paro de supetão. Ele se vira para mim rapidamente e me olha preocupado.

– O que foi? - Pergunta.

Solto minha mão da sua e vou até o closet pegar a caixa com seu presente. Volto para o quarto e quando ele ver o que carrego abre um sorriso enorme.

– Para você! - Entrego a caixa ele olha para a mesma depois para mim e leva uma mão até a fita que amarra a caixa. – Mas ... só abra quando voltarmos ok ? - Digo e levando o dedinho para ele, em reprimenda.

Ele coça a cabeça com uma mão, olhando a caixa prateada do presente e suspira.

– Tudo bem. - Diz frustrado e deixa o presente em cima da poltrona ao lado da cama. – Agora vamos?- Ele estende o braço para mim e eu engancho o meu nele.

Assim descemos para a sala, encontramos Taylor para do a nossa espera. Assim saímos do apartamento e descemos até a garagem. Nicholas abre a porta para mim e me sento com cuidado no banco traseiro do Audi Suv. Ele contorna o carro e entra, sentando ao meu lado e assim Taylor segue rumo a Bellevue.

– Está nervosa, baby? - Pergunta e olho em meio as luzes da cidade, que piscam pelo vidro da janela a cada vez que Taylor acelera.

– Um pouco. - Digo sinceramente.

– Porque? - Pergunta com um sorriso nos lábios.

– Seus pais. - Digo simplesmente.

–Selly, eles adoram você. Estão encantados com você. Não se preocupe com isso. - Diz, passando o polegar nas costas de minha mão.

– Mas agora é diferente. Estou com o filho deles. - Digo e suspiro.

– Ah eles adoraram a noticia. - Diz. Arregalo meus olhos para ele. Hum!?

– Como assim eles adoraram a noticia? - Pergunto, surpresa.

– Eu falei com minha mãe hoje por telefone e falei que estaria levando você a festa. E aí ela perguntou se era sério mesmo o nosso relacionamento. - Ele diz e franze a testa para alguma constatação em sua mente. – Vanessa deve ter falado com eles sobre nós. Então eu confirmei. - Diz e sorri torto.

Olho-o por um instante e viro-me para olhar a janela. Ele disse que sou sua namorada, mas porque não me sinto feliz com isso?! Na verdade, estou triste, agoniada em saber disso. Serei apresentada a seus pais como sua namorada, sendo que nem sou de verdade. Bem que eu queria que fosse. Queria que aquele Nicholas de Barbados sobressaísse e que a gente revivesse os momentos bons. Mesmo que fosse por um tempo. Saio de meus pensamentos quando vejo que Taylor estaciona o carro na entrada da casa colonial dos Jonas. Olho para o lado e noto que Nicholas já saiu. Ele abre a porta do meu lado, me surpreendendo e assim eu saio, pegando em sua mão.

Seguimos até a entrada e somos recepcionados por Paul e Denize, que estão na porta. Paul se encontra vestido em uma calça social preta, uma blusa social branca . Denize por sua vez, está fabulosa em um vestido longo verde

–Parabéns, meu filho! - Denize felicita Nicholas e o pega em m a abraço emocionado.
Paul e eu assistimos a cena sorrindo e assim ele se vira para me cumprimentar.
– Selly, que bom revê-la! - Diz e me pega em um abraço respeitoso.
– Olá senhor Jonas, que bom revê-lo também. - Ele se afasta um pouco e me olhar com falsa reprovação.
– Já combinamos que me chamaria de Paul, mocinha. Ainda mais agora que é minha nora. - Ele diz sorridente e ruborizo violentamente.
–Paul, assim você deixa a Sell ysem graça. - Denize bate em seu braço, em repreensão e se vira para mim.
 – Selly, querida. que bom que você veio. - Ela me abraça apertado e pega meu rosto entre as mãos, analisando-me emocionada. – Obrigada! - Sussurra e sorri.
 Obrigada pelo que?! Penso comigo. Olho para Nicholas e ele dá de ombros, como que diz ''Eles são assim mesmo''.
 – Bem, vamos entrando.. - Paul se pronuncia e assim entramos na casa.
 Assim que adentramos na grande sala dos Jonas, somos surpreendidos com aplausos e assovios para Nicholas. Olho para ele e noto que está sorridente e com os olhos brilhando. Aperto sua mão e ele olha para mim, sorrindo. Logo os aplausos cessam e Nicholas pigarreia para se pronunciar.
 – Senhoras e senhores, boa noite. Gostaria de agradecer a presença de todos que estão aqui hoje, partilhando de um momento tão significativo e especial em minha vida. Não há nada melhor que dividir os momentos felizes com pessoas importantes em nossa vida. Muito obrigado.- Ele para e logo um garçom aparece com uma bandeja com taças, em mãos. Nicholas pega duas e me entrega uma. Em seguida vira-se para o pessoal e ergue a taça. – Para finalizar o meu discurso gostaria de propor um brinde à vocês, minha família.. - Ele olha para seus familiares que estão a frente de nós. – À você amigos. - Ele sorri para a multidão a nossa frente – E a minha namorada, Selena. - Ele se vira para mim e me da um beijo casto nos lábios. Ouço os aplausos e assovios e sorrio sem graça, assim que Nicholas solta meus lábios. – Saúde! - Ele brada.
 As pessoas começas a se aproximar e felicitar Nicholas, um a um. Primeiro veio seus pais e logo Vanessa, Joseph, Demi e Zac?! Ué, eles já voltaram ?!.

– Parabéns, maninho! - Joseph saúda Nicholas em um aperto de mão.

– Obrigado Jose. - Nicholas diz. Jose ?! Que apelido estranho.

–Selly! - Joseph me cumprimenta com seu típico abraço de urso e pelo canto de olho vejo Nicholas fechar a cara, mas logo Vanessa o pega em um abraço caloroso.

– Parabéns, maninho! - Vanessa brada e distribui beijos pelo rosto de Nicholas, que tenta se desvencilhar dela. Joseph e eu rimos da cena. – Selly você está linda! - Ela diz, ainda agarrada com Nicholas.

– Obrigada, Vanessa. - Digo entre risos – Você está linda também, Vanessa. - Digo, analisando seu vestido .

Assim que Vanessa se afasta de Nicholas, Demi se aproxima.

– Parabéns, Nicholas. - Demi o parabeniza friamente.

– Obrigado, Demi. - Nicholas agradece no mesmo tom.

Olho para Joseph e assim reviramos os olhos para o comportamento dos dois.
 – Fala aí, Gomez! - Demi me pega em um abraço apertado e beija minha bochecha. – Que saudades de você. E que gata você está. - Sorrio e agora é a minha vez de me desvencilhar de seus abraço. Tento mas ela me aperta mais e assim desisto.
– Oi, Lovato. Também estava com saudades, aliás porque não me ligou para avisar que já tinha chegado? - Olho-a emburrada e assim ela me larga, encolhendo os ombros em desculpa. – E a propósito, você também está um arraso. - Digo olhando para seu vestido.
 – Cheguei hoje. Mas aí tive uns contratempos sabe.. - Ela olha para Joseph e abre um sorriso sacana.
 – Ai, poupe-me desses detalhes, Demi! - Reviro meus olhos e assim ela e Joseph gargalham.
 – Parabéns, Nicholas. - Zac estende a mão para Nicholas e abre seu sorriso encantador.
Olho para Nicholas e nosso seus olhar glacial para com Zac. Oh, não.. esse sorriso não vai funcionar com ele! Penso comigo. Pego na mão de Nicholas e aperto com força. Ele olha para mão de Zac e suspira, apertando-a em seguida. Zac vem até a mim e me dá um abraço de urso, ignorando os chiados Nicholas. Assim que me solta ele se vira para Nicholas, com seu sorriso de menino inocente.
– Acalme o coração, Jonas. Selly é só minha irmã. - Diz dando de ombros.
Nicholas franze o cenho para ele, mas logo alguém chama sua atenção.
– Nicholas, parabéns! - Um homem moreno o felicita, apertando sua mão amigavelmente.
Quem será ele? Reparo atentamente em seus cabelos pretos com alguns fios grisalhos e em seu sotaque inglês. Deve ser algum amigo da família. Meus pensamentos se esvaem quando escuto o nome dele sair da boca de Nicholas.
– John! Obrigado por vir. - Nicholas diz alegremente como se fosse amigos à anos. Depois dizem que não tem amigos. Mas ele nunca me falou de John, a não ser... Ops... Será ele ?
– John, essa a Selena. - Os dois se viram para mim e gelo. – Selly, - Nicholas chama minha atenção e olho para ele. – Esse é o charlatão caro de quem você tanto fala. - Ele diz alto para me envergonhar.
Ruborizo violentamente ao reparar que o moreno está me olhando.
– Olá, Selena. - John me cumprimenta com todo seu sotaque ingles. – É um imenso prazer conhecê-la. - Diz estendendo a mão para mim.
– Olá doutor Flynn, prazer em conhecê-lo também. - Pego em sua mão e ele a leva até a boca, depositando um beijo na mesma, em um ato cavalheiresco.
– Parabéns, Nicholas. - Uma morena linda ao lado de John cumprimenta Nicholas.
– Olá Rhian, obrigado. - Diz ele e beija a mão da moça. Então ele se vira para mim. – Ana, essa é a mulher de John, Rhian. Rhian, essa é Selena, minha namorada. - Ele nos apresenta.

– Olá Selena, você é muito linda. Nicholas tem bom gosto. - Ela diz com seu sorriso terno e me abraça formalmente.

– Obrigada, você também é muito bonita, senhora Flynn. - Digo e ela me solta de seu abraço.

– Me chame só de Rhian. - Ela diz sorridente e assinto de cabeça.

– Então, charlatão caro hein.. - Jonh diz me olhando.

Ruborizo mais, se é que isso é possível e assim ele e Nicholas riem. Estão rindo de mim! Estreito os olhos mentalmente e resolvo mudar de posição, acompanhando-os na risada. Eles para e me olham e dou de ombros.

Assim Rhian e John se afastam de nós, dando lugar a outros convidados de Nicholas que o parabeniza. Entre eles, alguns de seus sócios, Ross, seu braço direito na JEH e sua namorada, Andréia, sua secretária loira e lembro-me de perguntá-lo porque essa fixação por loiras no trabalho.

Logo que Andréia se afasta, paraliso diante a imagem que vejo. Ela! Elena Robinson se aproxima de nós. Ao lado dela avisto uma mulher magra, do meu tamanho, de cabelos castanhos escuros igual ao meu, olhos em um castanho bem clarinho como mel, sua pele pálida que lembra a minha, dão um ar fragilizado em sua aparência fragilizada. Olho para Nicholas e ele está estático, com os músculos tensionados e os dentes cerrados.


Logo que Andréia se afasta, paraliso diante a imagem que vejo. Ela! Elena Robinson se aproxima de nós. Ao lado dela avisto uma mulher magra, do meu tamanho, de cabelos castanhos escuros igual ao meu, olhos em um castanho bem clarinho como mel, sua pele pálida que lembra a minha, dão um ar fragilizado em sua aparência fragilizada. Olho para Nicholas e ele está estático, com os músculos tensionados e os dentes cerrados.

– Parabéns, meu garoto. - Elena toma a frente saudando Nicholas, abraçando-o e dando beijinhos em sua bochecha. Nicholas permanece paralisado, olhando fixamente para Elena.

Fico pasma diante da cena que vejo. Que ódio dessa mulher! Assim que se solta de Nicholas ela se vira para mim com toda sua pose de predadora, lançando um olhar desafiador em minha direção e um sorriso que obviamente não alcança seus olhos frios.

– Elena, o que você faz aqui? - Nicholas rosna para ela. Ela se vira para ele e inclina a cabeça para o lado.

– Não gostou da supresa?! - Pergunta com cinismo. – Sua mãe insistiu para que eu viesse e não tive como recusar. - Diz com seu sorriso de bitch. – Ah e trouxe uma surpresinha para você. - Ela dá passagem para a morena. Nicholas .

Olho para Nicholas e vejo-o com seus olhos fulminantes em cima da moça, que instantaneamente abaixa a cabeça. Que estranho. Quem será ela para Nicholas ficar com tanta raiva? Porque desse comportamento?! Como se fosse uma... Arregalo meus olhos para a constatação que tenho em mente. Olho de um para o outro freneticamente e assim confirmo minhas suspeitas. Ela só pode ser uma de suas submissas!

Leila. - Nicholas pronuncia o nome da mesma, geladamente.


Estremeço com seu tom de voz e olho para Elena, que está me analisando com um sorriso debochado nos lábios. Não pode ser, meus Deus! Isso só pode ser um pesadelo do qual eu quero acordar, tipo AGORA!

– Sim, mestre. - leila diz fracamente e desvio meu olhar para Nicholas.

Analiso seus olhos minuciosamente e agora vejo um brilho diferente em seus olhos. Algo bem obscuro, que só vi uma vez quando estávamos em sua sala de jogos. Sinto meu estômago embrulhar e seguro-me para não vomitar a bile que sobe até minha garganta. Olho para o resto dos convidados e noto que estão totalmente alheios ao que se passa. Volto meu olhar para Nicholas e solto sua mão. Ele parece despertar de seu transe e fecha os olhos. Assim que abre-os, estreita os olhos para Elena e volta a olhar para a submissa à sua frente.

– O que faz aqui? - Pergunta entre os dentes.

– Vim lhe desejar um feliz aniversário e trazer esse presente, mestre. - Ela estende as mãos com uma caixinha dourada, ainda com a cabeça baixa.

Sinto uma vontade enorme de chorar e gritar ao mesmo tempo. Que porra é essa?! Nunca me senti tão humilhada em uma festa. Preciso sair daqui. Essa cena está me matando! Engulo o nó que se formou em minha garganta e tento me pronunciar.

– Com licença. - Enfim encontro minha voz.

Nicholas se vira para mim com os olhos arregalados e lanço-lhe um sorriso falso, saindo logo em seguida. Assim que me distancio deles, solto a respiração que não estava conseguindo sair, de tão enojada que estou.

– Selly, quem são aquelas com o Nicholas? - Demi praticamente me atropela. – Bem, a loira eu conheço do baile mas a morena, quem é? - Pergunta, olhando para a loira que se encontra de costas para nós. -A antiga submissa que ele fodeu até cansar– Grito internamente. Viro-me para ela e dou de ombros, ignorando minha fúria crescente.

– Sei lá. - Digo com falso desdém. – Então, me conta as novidades? - Pergunto, para mudar de assunto.

Minha tática nunca falha, por favor que não falhe dessa vez! Peço mentalmente.

– Então.. - Ela diz euforia e me puxa pela mão até o canto do grande salão cheio de gente. – Eu e o Joseph vamos nos casar. - Ela cochicha em meu ouvido e pasmo na mesma hora.

– O quê? - Praticamente grito, mas graças a Deus ninguém escuta devido ao falatório no recinto.

– Fala baixo, Gomez! Quer um mega fone? - Ela me reprende e rio.

– Vocês ficaram malucos? Mas se conhecem! - Digo quase num sussurro e ela ri.

– Ele me pediu em casamento em Barbados e eu aceitei. Foi lindo, Selly! - Ela diz, com os olhinhos brilhando. – Não conte para ninguém. É segredo ainda. Só eu e ele que sabemos e agora você né. - Rimos.

– Amiga, vocês dois são pirados, sabia? - Ela da de ombros, sorrindo. – Mas se vocês sabem o que estão fazendo, quem sou eu para me opor ? - Digo e ela dá pulinhos de alegria. – Agora, vem cá e me dá um abraço, futura Sra Jonas. - Abro meus braços e assim nos abraçamos calorosamente.

– Por isso que eu te amo, Gomez! - Ela diz.

– Que nada! Você me ama por muitas outras coisas também. - Beijo meu ombro em um ato esnobe e caímos na gargalhada.

– Hum, seu boy magia agora está sozinho e não para de olhar pra cá. - Ela diz, fazendo-me voltar ao assunto anterior.

Merda! Tinha até me esquecido disso, momentaneamente, é claro. Viro-me e dou de cara com Nicholas me fitando. Ele dá um passo para minha direção mas logo para quando John aparece ao seu lado. Volto-me para Demi e dou de ombros.

Assim passamos um bom tempo conversando e matando a saudade, até que o jantar é servido. Sento-me no meio de Nicholas e Vanessa, que se encontra ao meu lado esquerdo e Zac ao lado dela. Demi e Joseph sentam-se do outro lado da mesa e ao lado deles, sentam Leila e Elena, respectivamente e assim se sucedem os amigos de Nicholas. Denize E Paul sentam-se na cabeceira da mesa e assim começa o jantar. Paul levanta sua taça e todos o acompanhamos, assim brindando ao aniversário de Nicholas.

Passo o jantar todo ignorando Nicholas, mesmo com sua mão em minha coxa, arrepiando-me a cada vez que a esfrega. Elena não tira os olhos de falcão de nós, principalmente de mim. Leila por sua vez, volta e meia pego-a olhando para Nicholas. Este por sua vez, encontra-se em uma posição rígida. Sinto a raiva se esvair por seus poros. O jantar termina e logo Denize aparece empurrando um carrinho com um bolo de aniversário, cantando parabéns. Todos a acompanhamos e volto minha atenção para Nicholas. Ele fita Denize com sum sorriso sincero nos lábios e os olhos emocionados. Ele olha para mim e momentaneamente noto uma felicidade plena no fundo de seus olhos. Sinto meu peito se esquentar com uma emoção diferente, algo crescente e que me faz querer chorar de tanta emoção. Eu daria o mundo para ver esse olhar e esse sorriso eternamente. E é nesse momento de epifania que tenho a total certeza de que estou completamente apaixonada por ele!

Assim que cessam os aplausos e assovios, o bolo é servido e logo todos se espalham pela sala novamente.

– Selly, preciso falar com você. - Vanessa diz assim que nos encontramos e me puxa para um corredor da casa.

Ela abre uma porta e assim que entramos, vejo que se trata de um escritório. Ela fecha a porta e se vira par mim, com um olhar receoso.

– O que foi, Vanessa? - Pergunto com preocupação.

– Sabe Selly, - Ela para e coça a cabeça. – Você está com meu irmão né?! - Assinto de cabeça e faço gesto para que prossiga. – Então, eu estive conversando com o Zac a noite toda e.. - Ela para e ruboriza violentamente ao notar que estou sorrindo. Não acredito que isso aconteceu! – Você não vai liga se eu quiser ficar com ele não né? - Pergunta num sopro só.

– Claro que não, Vanessa. - Digo rindo. – Zac é sou meu irmãozinho postiço. Nunca tivemos nada. - Ela suspira pesadamente e abre um enorme sorriso.

– Ah , então se é assim.. dá licença que vou procurá-lo, antes que tomem meu lugar. - Dá um beijo em minha bochecha e sai eufórica pela porta.

Começo a rir sozinha ao imaginar eles dois juntos. Que casal! Suspiro e caminho até a porta, mas paro no meio do caminho quando vejo Leila entrando. Ela tranca a porta e se vira para mim.

– Então, você é a nova conquista do mestre.. - Diz, mas acho que não foi uma pergunta.

– Olha eu tenho mais o que fazer, com licença. - Começo a andar mas logo sou impedida ao sentir sua mão em meu peito.

– Calma aí. - Ela diz.

Dou um tapa em sua mão, fazendo-a cair para o lado.

– Não encoste em mim! - Digo entre os dentes.

– Olha, você fala. E pelo visto a gata borralheira tem garrinhas afiadas. - Ela ri debochadamente. Permaneço calada e assim ela cessa seu riso.– Quer dizer que você é a ''namorada'' do mestre? - Faz o sinal de aspas com o dedo. – Não se iluda queridinha. Você só é mais uma de nós. - Ela diz séria e vejo uma tristeza em seus olhos, como se estivese dilacerada por dentro. – E pelo que vejo, você não é uma boa submissa. Ignorou o mestre a noite toda. - Ela me analisa dos pés a cabeça e volta seu olhar para meus olhos. – O mestre não gosta de garotas atrevidas. Com certeza ele irá te castigar mais tarde. - Diz e tremo só de pensar. – Tem medo do que ele possa fazer? - Pergunta com um sorriso nos lábios, ao perceber meu medo.

Merda! Não demonstre fraqueza, Selena! Repito esse mantra em minha cabeça.

– Olha aqui, eu não lhe devo explicações. - Digo em alto e bom som e ando para a porta.

– Você tem medo. Estou sendo sua amiga, Selena. O mestre é escuro. O mestre tem necessidades que você não poderá cumprir. - Ela diz e eu paro instantaneamente. – E assim que perceber que está apaixonada por ele, irá te abandonar. - Gelo diante de suas palavras. – Eu sei que está apaixonada por ele. Eu vi como você olhou para ele lá na mesa. Ele irá fazer com você a mesma coisa que fez comigo: Irá lhe jogar fora! Como um lixo. Pois foi isso que aconteceu com todas que se apaixonaram por ele. - Viro-me e ela se aproxima. – Será difícil para você se reerguer. Se é que você irá consegui, pois olhe para mim. - Ela abaixa os braços em rendição e da uma volta. – Estou totalmente quebrada por causa desse homem. Sinto como se tivesse perdido o chão e ele não dá a mínima. Você viu como me tratou. - Diz, olhando em meus olhos. – Ele só gosta da dominação, de foder violentamente, de espancar. Ele é sombrio. - Minha mente volta para o momento em que seus olhos brilharam ao ver Leila na posição de submissa à sua frente. Sinto minha garganta doer com o choro contido e volto a escutar as palavras que Leila continua a dizer. – Você irá precisar de um bom psicólogo, como eu. - Diz e fecho os olhos.

– CHEGA! - Grito e ela para de falar na mesma hora, me olhando assustada. Conto até dez mentalmente e tento manter a calma. Não posso me descontrolar, é isso que ela quer. – Não quero mais ouvir nada. Sei o que estou fazendo Leila, então se veio aqui para isso, já pode ir. Obrigada pelos conselhos. - Digo, com uma falsa calma.

Ela me fita pasma por um momento e logo depois assente de cabeça e sai pela porta. Agacho, soltando a respiração presa e começo a chorar baixinho, para ninguém me ouvir. Ela tem toda razão. Não sou um boa submissa, aliás não sou uma. Não posso continuar nesse relacionamento sem futuro, que só irá me machucar. E sei que talvez eu nem consiga me superar, tamanho é o sentimento que sinto por ele. Não posso continuar fingindo que está tudo bem, quando não está. Não quero um dominador, quero um namorado que queira me ver todos os dias e não só aos fim de semana para fodermos insanamente. Quero um sentimento recíproco, quero me sentir amada e não uma vadia como na noite passada.

Mas ao mesmo tempo não quero ir, não quero me distanciar dele, sinto-me completa com sua presença, com seus sorriso de garoto, seu olhar que perfura minha alma toda vez que me olha após um longo e intenso beijo. -Calma Selly, pense bem! Não se precipite em uma decisão– Meu subconsciente me aconselha. Sei que é isso mesmo que Leila e Elena querem. Elas não vieram aqui a toa. Mas ouvi tudo isso de Leila e ver aquele olhar de Nicholas, realmente me quebra por dentro. Mas o que devo fazer: Correr ou continuar nesse relacionamento que eu mesma aceitei? Ai que dúvida cruel meu Deus.

Quando me sinto mais calma, levanto e seco minhas lágrimas. Saio e sigo procurando por um banheiro e logo acho. Olho-me no espelho e vejo que a maquiagem está perfeita. Nem parece que chorei. Respiro fundo e volto para a sala, encontrando um Nicholas impaciente com o meu sumiço repentino.

– Onde você estava? - Pergunta grosseiramente.

– No banheiro. - Digo simplesmente. – Quero ir embora. - Digo autoritária e ele arregala os olhos.

– O que? - Ele rosna.

– E isso que você ouviu. Eu.Quero.Ir.Embora! - Digo pausadamente.

Ele estreita os olhos mas enfrento seu olhar furioso. Ele bufa e assente de cabeça. Assim, nos despedimos de Paul e Denize e saímos da festa. Assim que Taylor põe o carro na estrada, sinto os olhos fervorosos de Nicholas em cima de mim. Ignoro seus olhares e me perco em pensamentos, olhando para janela. Desperto de meu transe quando vejo que Nicholas está com a porta do carro aberta para mim. Saio e seguimos para o elevador. Sinto uma eletricidade entre nós assim que as portas do elevador se fecham, mas ignoro-a, assim como os olhares de Nicholas em mim. Assim que as portas se abrem no hall do apartamento de Nicholas, entramos e sigo para o meu futuro ex quarto, fechando a porta atrás de mim.

Sento na cama e seguro para não chorar com meus pensamentos e duvidas. Não quero ir, mas sei que preciso antes que eu me machuque mais. Que inferno! Justo o único cara que fez meu coração palpitar incessantemente a cada toque e a cada beijo, é o que tem total poder para minha total destruição. Sacudo a cabeça e solto uma lufada de ar. Deixarei isso para amanhã, chega dessa merda por hoje. Amanhã estarei mais calma e serena, então poderei decidir qualquer coisa sobre Nicholas. Abaixo a cabeça assim que ouço a porta do quarto abrir. Ouço seus passos ecoarem pelo chão e vejo seus pés ao pararem a minha frente.

– Selly, olhe para mim! - Ele ordena e aperto meus lábios em uma linha rígida. Levanto a cabeça, me deparando com seu olhar intenso sobre mim.

Ele apenas me olha, prendendo seu olhar no meu. Segundos, minutos.. eternidades se passam até que ele quebra o silêncio com um longo suspiro exasperado, passando as duas mãos pelos cabeços, despenteando-os.

– Eu pedi para que ela não fosse. - Diz em defesa. Ah baby, não é bem com o fato da Elena ter aparecido, que estou sentida e sim com o de sua ex submissa. – Ela deu sua palavra que não iria. - Diz com a testa franzida. -Sobre a morena você não diz nada não é, Jonas. Que tal me contar quem é ela ?!– Penso comigo. Torço a boca e avalio sua expressão. Está totalmente agoniada e preocupada com o fato de me manter calada. – Fala alguma coisa, Selena?! - Pede.

– O que você quer que eu fale ? - Pergunto friamente.

– O que você está pensando. Não consigo te decifrar quando fica calada. - Ele diz.

– No momento estou sentindo cansaço e sono. - Digo e ele inclina a cabeça para o lado.

– Pensei que .. - Diz e franze os lábios, pensativo.

– Pensou que o que? - Pergunto curiosa.

– Que pudéssemos ir até a sala de jogos. - Prendo minha respiração ao ver seu sorrisinho sacana.

– Nicholas eu estou cansada deixa para depois, pode ser? - Pergunto baixinho.

– Ora, cansou da brincadeira de ''senhor pra lá, senhor pra cá''? - Pergunta com uma sobrancelha arqueada e permaneço calada. -Bem feito para você e suas graçinhas, Gomez– Meu subconsciente ri da minha cara de tacho. Ele se agacha na minha frente e pega meus rosto entre as mãos. – Vamos baby. Vai ser bom, você vai ver! Não precisa ficar com esse medo que vejo estampado em seus olhos. - Diz e olho-o cética.

Suspiro e inclino minha cabeça para trás, olhando para o teto.

– Nicholas, ontem eu me senti super mal depois que saí daquela sala. - Digo num sopro, sem coragem para encará-lo. Ele permanece calado por um instante mas logo sinto seus lábios encostar em meu pescoço, enviando arrepios por todo meu corpo.

– Baby, não será como ontem. Você está assim porque não deixei você gozar. - Morde de leve minha orelha e rapidamente contenho um gemido. – Conheço seu corpo melhor do que ninguém, Selena. - Suga meu pescoço e sinto meu corpo traidor se manifestar ao seu toque. – Estou louco para me enterrar em você e fodê-la loucamente até não aguentar mais. - Sussurra em meu ouvido e involuntariamente mordo meu lábio.

– Nicholas, é melhor não. - Digo com uma voz vacilante.

– Porque? - Ele sobe a boca até a minha e morde meu lábio de leve. – Já sabe o que isso causa em mim. - Diz referente ao meu hábito de morder o lábio. Olho em seus olhos cinza fulminantes, mas de um desejo ardiloso e cheio de promessas. – Não responde, baby! - Diz e roça a ponta de deus dedos por meu corpo.

Sinto meu corpo fraquejar diante de tais promessas e atos que me levam a loucura. Solto um gemido e mordo meu lábio fortemente para me conter. Ele sorri diabolicamente e ataca meus lábios em um beijo fervoroso e sensual. Instantaneamente levo as mãos até seus cabelos e puxo-os cada sugada de sua língua na minha. Sinto uma fome descomunal em ter esse homem só para mim. Ele desce seus beijos por meus rosto, seguindo para o pescoço e reviro meus olhos. Sem perceber solto um gemido em concordância com seu pedido. Ele sorri e me pega no colo, seguindo para sua sala de jogos.

Assim que entra, me coloca de pé e para na minha frente.

– Já sabe o que fazer.. - Diz. Começo a me despir e logo me coloco na posição de submissa, ao lado da porta. Ele anda de um lado para o outro e momentos depois para na minha frente. – Levante-se. - Ordena e assim que me levanto, me deparo com ele só de boxer. -Oh, céus!– Minha deusa interior sussurra pasma e se joga em sua poltrona toda ofegante. Algo em suas mãos chama minha atenção e noto que é um par de algemas. – Venha. - Ele diz e me direciona até a cama de dossel. – Deite-se no meio da cama. - Ordena e assim deito de barriga para cima. A cama é tão grande que sinto-me uma gota d'agua em um oceano. Ele sobe na cama e estende a mão para mim. – Estenda as mãos para frente. - Assim que estendo minhas mãos, ele coloca uma algema no meu pulso direito e outro no esquerdo. – Sente-se - Me sento na cama de frente para ele.

Feito isso, ele puxa o outro lado da algema, que se encontra em meu pulso direito e prende em meu tornozelo direito. Repete o mesmo procedimento com o lado esquerdo e me fico toda encolhida, com meus torso encostados em meus joelhos.

– Agora deite-se novamente. - Me deito, puxando minhas pernas comigo, ficando na posição de um frango assado.

Ele desce da cama e pega uma corda que está em cima da cômoda. Ele passa a corda na junta de meu joelho direito e puxa para o lado, prendendo no dossel do lado direito da cama. Feito isso, ele se encaminha para o lado direito e repete o mesmo processo. Depois de seus trabalhos feito, ele para e me observa atentamente, com um olhar brilhante. Estou com minhas pernas arregaçadas e meu sexo totalmente a vista, completamente a sua mercê. Um calafrio percorre minha espinha, como um pressentimento ruim do que está prestes a acontecer. Já estive a mercê dele assim, mas hoje sinto-me completamente estranha, com um aperto no peito.

Saio de meus devaneios ao ver Nicholas subir na cama com uma venda e uma mordaça esférica, um tipo diferente de mordaça usada só para BDSM. Em silencio ele amordaça minha boca e venda meus olhos.

– Hoje você só irá sentir. - Diz.

Não gosto nada dessa ideia de total perda de controle. Em Barbados foi diferente, pois eu podia me comunicar e se não estivesse gostando de algo era só falar. Começo a ofegar ao lembrar de Leila e suas palavras na casa dos Jonas. ''Você não é uma boa submissa'' ''O mestre tem necessidades que você não poderá cumprir''. Esqueço esses pensamentos ao sentir Nicholas entrar em minha com toda destreza. Ele começa a se movimentar fortemente e tento falar algo ao me sentir desconfortável. Sinto um pânico me atingir ao tentar novamente falar e não obter resultado. Ele começa a me foder com mais velocidade e sinto as lágrimas brotarem em meus olhos, por baixo da venda, assim que minha mente vagueia para o passado doloroso, em que Mark me tomou a força quando eu tinha treze anos.

Sinto o cheiro do seu suor forte entrar pelas minhas narinas e começo a gritar insistentemente para que alguém me escute, mas é em vão pois ninguém me escuta. Tento mexer meus braços na esperança de tirar o desgraçado de cima de mim, mas não obtenho resposta. Balanço minha cabeça de um lado para o outro freneticamente e assim grito mais uma vez, mas sou tomada pelo fracasso que me abraça, diante do empecilho em minha boca. Sem ter para onde correr e o que fazer, paro de me debater e começo a chorar baixinho, pedindo mentalmente para que alguém tire esse porco de cima de mim. Rezo para que minha mãe chegue e me salve, mas não acontece. Continuo com meu choro e meu lamento até que não sinto mais nada, só a dor e a vergonha de ser violada.

Segundos, minutos, horas se passam e nada muda, até que uma claridade bate em meus olhos molhados do choro e fecho meus olhos na mesma hora. Tento levar as mãos até os olhos e noto que não estou mais presa. Mark deve ter acabado com seu trabalho sujo. Coço os olhos para me acostumar com a claridade e logo abro-os, arregalando-os com o que vejo a minha frente.

– Nicholas, o que faz aqui? - Pergunto, atônita.

– Selly, porque está chorando? Eu te machuquei? - Pergunta preocupado, deslizo meu olhar para o cômodo em que me encontro e noto que estou na sala de jogos de Nicholas. Volto meu olhar para Nicholas e começo a chorar copiosamente. Coloco a mão na boca e me levanto da cama. – Selly.. fala comigo? - Ele pede, mas balanço a cabeça em negação, assim corro para fora do quarto e seguindo para o ''meu'' quarto.

Fecho a porta assim que entro no quarto e escorrego minhas costas pela mesma. Sinto o gelo da porta em minha pele, alertando que estou nua. Não dou importância a isso e caio em prantos. Meu Deus, o que foi isso?! O tempo todo era Nicholas e não Mark. Como um furacão, as palavras de Leila me vem em mente novamente. ''O mestre tem necessidades que você não poderá cumprir'', ''Será difícil para você se reerguer. Se é que você irá consegui'', ''Ele só gosta da dominação, de foder violentamente, de espancar'', ''Ele é sombrio''.

Levanto e cambaleio até a cama, me jogando de bruços na cama, entrando embaixo dos edredons e afundando o rosto no travesseiro. Choro mais e mais até os soluços aparecerem. Acabou! Não posso mais continuar fingindo que posso ser o que ele quer. Não quero viver desse jeito. Quero mais! Quero ser amada, eu preciso ser amada! Mordo meu lábio para conter os soluços que saem, ao ouvir a porta se abrir. Logo sinto o colchão afundar e uma mão passar por meus cabelos. Me remexo para que ele tire suas mãos de mim e ele parece que entende meu gesto.

– Selly, o que houve? - Sinto a tristeza emanar de sua voz e isso me quebra mais.

Viro meu rosto para o lado permanecendo calada, olhando a grande e bela Seattle adormecida pela janela, enquanto me desmancho em lágrimas silenciosas. Ele não diz mais uma palavra, mas sei que ele está olhando cada mísero gesto meu. Horas se passam até que decido colocar um ponto final em tudo. Sento na cama e viro de frente para ele, me deparando com seu olhar desolado de tanta preocupação.

– Acabou! Não posso mais, Nicholas... - E é a única coisa que consigo dizer antes de voltar a chorar...



Comentários... :)



Creditos Angel

3 comentários: