terça-feira, 19 de agosto de 2014

XXIV - Amor Obscuro

| |

Seguimos para Oistins, um lugar onde se encontra o principal mercado de peixe da cidade, as noites de sábado são embaladas com muita música e alegria, além do aroma das suntuosas delícias Bajan. Paramos em um bar e provamos a deliciosa comida Bajan, experimentamos o famoso peixe-voador, que é o prato oficial e também emblema da ilha. Nicholas e Joseph pelo visto adoraram o prato, já que comeram duas vezes. Zac, por sua vez, sumiu no meio das barbadianas. Volta e meia eu observava Demi e Joseph que parecem muito apaixonados. Realmente não sei do que Demi tanto tem medo. Se ver na cara do Joseph que ele está caidinho por ela. Nicholas está noite esta tão diferente. Toda hora me abraça, me beija, está todo carinhoso comigo. Não sei direito o que está acontecendo mais estou aproveitando ao máximo esse Nicholas.
Olho para Demi e me surpreendo com sua cara maliciosa. O que será que ela está armando? Em seguida me chama para dançar as musicas caribenhas que toca e aceito, a contra gosto de Nicholas. Assim que começamos a nos embalar no ritmo da musica, percebo qual é a verdadeira intenção de Demi. Ela começa a dançar sensualmente para Joseph, que preferiu ficar na mesa, acompanhando Nicholas. Entro no clima e começo a dançar sensualmente para Nicholas, de um jeito que só ele perceba, e logo vejo seu sorriso sacana se abrir.
Depois de dançar um pouco as musicas caribenha, Joseph e Demi foram para uma boate qualquer. Nicholas e eu fomos passear pela Baxter Road, a famosa rua que nunca adormece. Parecíamos um típico casal de namorados que anda de mãos dadas na rua e se beija a todo momento, trocando várias carícias.
***
Chegamos ao hotel, depois de um logo passeio pelas ruas de Barbados. Assim que entramos no quarto, Nicholas me agarra por trás e beija atrás da minha orelha, refletido diretamente em meu sexo. Fecho meus olhos, aproveitando a sensação deliciosa, mesmo sentindo meu corpo reclamar de cansaço. Ele me guia pelo caminho e quando abro meu olhos, vejo que estamos no banheiro. Ele me solta e se aproxima da banheira, abrindo a torneira para enche-la. Depois joga algo na agua e se volta para mim.
– Venha, baby. - Ele me chama com um sorriso nos lábios.
Tiro minhas sandálias e me aproximo dele, que se levanta rapidamente e começa a tirar minha roupa, maquiagem, brincos e tudo o que há em mim, deixando-me nua. Permaneço quieta, aproveitando os seus cuidados dele, que são muito bem vindos. Em seguida ele estende a mão para mim, ajudando-me a entrar na banheira. Encosto minha cabeça na borda da banheira, assim que entro e fecho meus olhos. Estou exaurida de todas as maneiras possíveis. Também, com os exercícios que fiz no decorrer do dia, seria impossível não ficar assim depois.
– Baby, chegue mais para frente. - Nicholas pede.
Abro meus olhos, fitando o lindo sorriso de garoto que está estampado em seu rosto. Faço o que ele me pede e assim ele se senta atrás de mim, me puxando para si em seguida. Jogo minha cabeça para trás, deitando-a em seu ombro. Relaxo meu corpo e fecho meus olhos novamente. Ele começa a me lavar, acariciando minha pele lentamente e gemo em resposta. Ele ri e continua com suas mãos habilidosas em meu corpo.
– Baby, sábado que vem haverá um jantar na casa de meus pais e eu quero muito que você vá. - Ele diz.
– Hum... e para que é esse jantar ? - Pergunto.
– Ah é só para comemorar meu aniversário. - Ele diz baixinho, com desdém. Viro-me de um súbito para ele.
– Seu aniversário? - Pergunto, atônita. Ele assente de cabeça. – Uau, senhor Jonas vai ficar velhinho. - Digo zombeteira e ele abre um sorriso tímido. – E vai ter muita gente? - Pergunto, olhando com curiosidade.
– Não, só a minha familia e alguns amigos. - Ele diz, simplesmente. Amigos? Que amigos? Ele só me falou daquela vadia platinada. – Então, você vai? - Pergunta, me olhando com esperança.
– Não sei. - Digo num fio de voz.
– Como não? - Ele franze o cenho.
Viro-me de costas e começo a passar a mão pela espuma da agua e assoprá-las. Depois volto a deitar em seu peito, com a cabeça em seu ombro.
– Nicholas, não quero está no mesmo ambiente que aquela sua amiga. -Digo, mas logo sou interrompida por sua grossa voz.
– Selena, não quero brigar. - Ele diz, ríspido.
– Nem eu. Espera eu terminar de falar. - Digo, calmamente. – Eu sei que ela estará lá e entendo perfeitamente, já que ela é amiga da sua família. Eu sei também que vou me irritar bastante e não quero acabar brigando com você, como da ultima vez. Então prefiro não ir. - Digo, tentando parecer o mais natural possível, escondendo a tristeza crescente em meu peito.
Ele não diz nada. Permanece calado e volta a acariciar meu corpo. Aconchego-me mais em seus braços e fecho meus olhos.
– Ela não estará lá. - Ele sussurra em meu ouvido, despertando-me do meu quase cochilo.
Viro-me para encará-lo e franzo a boca.
– Nicholas, por mais que eu repugne essa mulherzinha que você chama de amiga, eu não quero que se sinta obrigado a dispensá-la de sua festa. - Digo.
– Não estou sendo obrigado a nada, Selena. Para falar a verdade eu pedi para ela não ir antes de falar com você. - Ele diz, para minha total surpresa. Como assim?! – Eu já sabia que você iria reclamar, então pedi isso à ela. - Ele completa, percebendo minha confusão. Volto a deitar sobre ele e começo a mexer na espuma novamente, com um inevitável sorriso no rosto. – Eu sei que você está sorrindo, baby! - Ele diz baixinho em meu ouvido e começo a rir.
– Desculpa, é que é inevitável. - Digo, sem graça.
– Não sei o que eu faço com você. - Ele diz e distribui beijinhos pela minha orelha, apertando-me em seu abraço.
Sorrio que nem uma boba e logo sinto a mão de Nicholas com uma esponja, passar pelo meu corpo, lavando-me com destreza. Em seguida ele abandona a esponja e começa a passar as mãos, massageando-me, deixando-me completamente relaxada e inevitavelmente sou puxada para a escuridão.

***
Acordo e vou abrindo os olhos lentamente. Vejo a claridade da lua entrando pela janela e ouço o barulho das ondas quebrando no mas, ao fundo. Sinto uma leve brisa bater em minhas costas nua e noto que estou deitada de bruços, só com um lençol tapando minha bunda. Levanto minha cabeça lentamente, olhando em direção a janela e sou surpreendida por uma voz rouca e sensual que ecoa pelo recinto.
– Continue desse jeito. Está linda! - Nicholas diz e direciono meu olhar até ele, que está encostado na soleira da sacada, olhando para a linda lua que ainda brilha no céu escuro.
Ué, lembro-me de estar tomando banho com ele!
– Como vim parar aqui? - Pergunto confusa e com a voz rouca, do sono.
– Eu lhe coloquei na cama depois que você apagou na banheira. - Ele diz, com um sorrisinho nos lábios, ainda olhando para a lua
– Hum... Perdeu o sono ? - Pergunto.
Ele continua do mesmo jeito, com sua mente longe. Estico meu braço até o criado mudo, pegando meu celular, que está ao lado de minha Nikon, para ver a hora. Noto que ainda são 4:30 da manhã. Nossa, a noite está um criança hoje! Sorrio com meu pensamento e coloco-o de volta no lugar. Volto meu olhar para Nicholas e deito-me de lado, puxando o lençol mais para cima. Fico admirando sua beleza máscula e sexy. Como ele é lindo, meus Deus! Deveria ser proibido alguém exalar tanta beleza por aí. Ainda mais com essa calça de pijama caindo perfeitamente em seus quadris. E está tão amável hoje. Como eu queria que ele fosse assim para sempre. -Até parece que odeia o que ele faz com você e seu corpo, né!– Meu subconsciente sorri arrogantemente. Ok, para sempre não, mas quem sabe alguns dias. Mas já que sei que não será assim para sempre, é melhor desfrutar desse seu período. Só não posso me acostumar, se não sofrerei depois!
– Volte a dormir, baby! - Sua voz me tira de meus devaneios.
– Só se você deitar aqui comigo. - Digo, batendo no colchão ao meu lado. Ele volta seu olhar para mim pensativo por um momento, mas logo seu sorriso se abre e vem até a mim, deitando de lado ao meu lado, ficando cara a cara comigo. – O que tanto se passar por aqui? - Pergunto, apontando para sua cabeça e ele ainda sorri.
– Estava pensando em nós. - Levanto minhas sobrancelhas em surpresa.
– E? - Pergunto curiosa.
– E notei o quanto eu não tenho controle nenhum quando se trata de você. - Ele diz, seriamente, sem nenhum resquício de seu sorriso de antes.
– Ai Nicholas, você precisa relaxar um pouco. Deixar de ser tão estressado. - Digo, rindo.
– Não consigo. Não quando se trata de você. Com você tudo é diferente. Tudo estressante e ao mesmo tempo excitante, entende? - Pergunta. Paro de rir e franzo minha testa.
– Não. - Digo.
Ele passa as duas mãos pelos cabelos e bufa.
– Eu preciso de ter controle de tudo, Selena. - Ele diz ainda sério. – Eu preciso disso. E quero que compreenda isso. Que seja menos atrevida e desobediente. Eu perco a noção das coisas quando se trata de você. - Ele diz, nervoso, como se estivesse com alguma lembrança ruim em mente. Pego em suas mão e o balanço.
– Nicholas, calma! - Digo tranquila e ele volta seu olhar para mim, se acalmando lentamente. – Eu vou tentar ser mais compreensiva com seu .. - Paro e pensa, em busca de uma palavra certa. – Jeito de ser. - Digo. Ele me olha e respira aliviado. – Até porque não quero ser culpada de seu ataque cardíaco. - Digo e me desmancho em gargalhadas. – A Denize e o Paul me matariam. - Gargalho mais, jogando a cabeça para trás. Segundos depois pisco diante do flash em meu rosto. Paro de rir e noto que ele está com minha Nikon em mãos. – Ei! Não vale. - Resmungo, fazendo beicinho e ele tira outra foto. Mostro a língua e ele tira outra. Faço caras e bocas para ele que registra todas: fazendo careta, sorrindo, fazendo biquinho, mandando beijo... Depois de várias fotos, estendo minha mão – Deixa eu ver - Pego e ele me entrega a câmera. Olho uma a uma. – Hum, estão péssimas. - Franzo o nariz em reprovação.
– Estão lindas! São as melhor que eu já vi na vida. - Ele diz, em um tom de reprimenda.
– Não acho. Prefiro essa aqui ó.. - Digo e tiro uma foto dele, pegando-o desprevenido. Em seguida me aproximando dele, levando meus lábios até os dele, puxando-os com meus dentes famintos e tiro a foto desse momento. – Pronto! - Digo e lhe devolvo a câmera.
Ele olha as fotos por um momento, pensativo e depois se volta para mim.
– E que tal essas daqui ó.. - Ele sobe em cima de mim de um súbito fazendo-me soltar um gritinho de susto.
Senta em minha pernas, prendendo-me embaixo dele e começa a fazer cocegas em minha barriga. Inevitavelmente começo a gargalhar e me contorcer embaixo dele, na tentativa falha de escapar de sua mão, enquanto a outra tira várias fotos desse momento.
–Nic.. - Tento chamar sua atenção mais não consigo parar de rir. – Nicholas... pare - Digo entre as gargalhadas e ele continua com seus dedos implacáveis.
Me contorço mais e mais, continuando a gargalhar e piscando os olhos diante dos flash que sai da câmera. Minutos depois Nicholas sai de cima de mim, caindo para o lado e parando com sua tortura. Passo as mãos pelo meu rosto molhado, limpando as lágrimas que escorreram de meus olhos.
– Isso é jogo baixo e sujo! - Resmungo enquanto tento controlar minha respiração.
– Nunca disse que iria jogar limpo. - Ele diz. Viro-me para ele e me deparo com seu sorriso arrogante nos lábios.
– Ah é ? - Sorrio maliciosamente e subo em cima dele em um movimento rápido, prendendo suas mãos contra a cama.
Ele arregala seus olhos imediatamente e começa a ofegar. Aproximo meu rosto do seu, olhando no fundo de seus olhos e vejo um pobre garotinho cheio de medo. Sinto meu coração despedaçar diante do que vejo. O que será que aconteceu com ele para ficar assim?
–Selly! - Ele diz e me olha suplicante.
– Ei, calma! Eu não vou fazer nada que você não queira. Não vou tocar em você! - Digo e dou-lhe um sorriso reconfortante. Ele me olha cético, com a testa franzida. -Nossa, ele está tão confiante disso!– Meu subconsciente debocha. Tomo seu lábios em um beijo calmo e terno, na tentativa de lhe passar toda minha confiança e parece que consigo. Ele enlaça seus dedos aos meus e aumenta o ritmo do beijo, ficando mais luxurioso. Nossas línguas dançando com uma destreza perfeita. E a cada movimento de nossas línguas, ele aperta mais minhas mãos e só separamos nossas bocas em busca de ar.
– Você é minha perdição, Selena! - Ele diz com a voz rouca e sensual, com sua respiração ofegante.
Desço minha boca pelo seu queixo, mordendo-o de leve e sentindo sua barba por fazer arranhar minha língua. Vou escorregando com minha língua por seu pescoço e sugando com um desejo ardente, intenso e desmedido. Sinto sua ereção crescente encostar em meu sexo e gemo. Vou até sua orelha e mordo o seu lóbulo.
– Você também é a minha, baby! - Sussurro em seu ouvido e ele solta um gemido gutural.
– Preciso me enterrar em você! - Ele suplica em um sussurro. Solto suas mãos e me levanto um pouco. Me ajoelho na cama e puxo sua calça, libertando sua grande ereção. Ele chuta a calça para longe e pega minhas mãos, me puxando para cima dele. – Sente-se em mim. Hoje quero que você comande. - Ele diz.
– Mas Nicholas.. - Digo receosa, mas ele me corta.
– Eu confio em você, baby! - Ele diz, me olhando nos olhos.
Abro um sorriso animado e passo uma perna por cima dele, apoiando-me em meus joelhos, cada um ao lado de seu quadril. Levo uma mão em seu grande membro, posicionando-o em minha entrada. Roço meu sexo nele, fazendo-o gemer e logo vou me sentando lentamente, sentindo cada centímetro dele me abrir. Jogo a cabeça para trás e gemo seu nome.
Começo a me movimentar devagar e gemo novamente, conforme vou subindo e descendo, fazendo-o encher-me por completo. Tomo suas mãos novamente e ele entrelaça nossos dedos, fixando seus olhos nos meus. Paro de me movimentar e rebolo, esfregando meu clitóris no seu púbis. Solto um gemido sofrido e volto a me movimentar, subindo e descendo com mais rapidez, sem tirar os olhos dele.
– Ah... que gostoso. - Nicholas geme loucamente com a respiração entre-cortada.
Sinto-me mais inebriada e cavalgo com avidez em cima dele. Fecho meus olhos e mordo meus lábios com força a cada vez que sinto esse homem dentro de mim. Uma sensação ardente me atravessa por inteiro e cresce cada vez mais. Abro meus olhos e nossos olhos se encontram de tal maneira que parece que podem ver minha alma. Vejo uma emoção diferente exalar em seus olhos. Deve ser a mesma emoção desconhecida que sinto nesse exato momento.
– Eu.Nunca.Vou.Deixar.Você.Ir.... - Ele geme pausadamente.
Aumento mais o nosso ritmo e logo encontro minha libertação, explodindo em um orgasmo alucinante de jogar a cabeça para trás. Permaneço inerte por uns segundos enquanto gozo violentamente. Volto meu olhar para Nicholas, que está com os olhos fechados, sua mandíbula cerrada e goza clamando por meu nome. Sinto-me embriagada de uma porção deliciosa. É tão enlouquecedor ver esse homem se desmanchar por mim, que chega até doer.
Desmorono em cima dele, aconchegando-me mais em seu peito, com a mente em algum lugar onde não há ninguém além de mim e ele, onde não existe nenhum limite rígido, nem brando. Só nós dois! Sinto seus braços me envolverem e fecho meus olhos sem dizer uma palavra, caindo em um sono tranquilo e confortante.
***
Pov do Jonas.
Acordo com a claridade que entra pela janela. Abro meus olhos lentamente e me deparo com a bela mulher que está deitada sobre mim, completamente nua. Minha mulher! Sim, é isso que eu senti na noite passada. Senti que ela é minha mulher! Hora nenhuma a vi como minha submissa e isso me assusta pra caralho. Merda! O que eu estou fazendo?! Eu não mereço essa mulher e ela não merece o merda que sou. Ela é linda, doce, alegre e tudo mais.. É praticamente um anjo. O meu anjo! E eu sei que eu não mereço isso. Eu não deveria ter vindo nessa viagem atrás dela, mas não consegui me controlar. Estava enlouquecendo aos poucos cada vez que pensava nela, o que me ocorria a todo momento.
Não consigo ficar longe dela, parece que tem um imã que nos une. Eu gosto de estar em qualquer lugar, desde que ela esteja. Selena alegra meu dia. Apesar de está uma pilha de nervos e com muita raiva a cada mensagem que ela me mandava, eu me alegrava a cada bip que ouvia de meu e-mail. E quando Joseph me chamou para vir a Barbados eu não exitei nem por um segundo. Vim correndo atrás dela. Assim que nos encontramos no café da manhã, a sua reação ao me ver me entristeceu. Parecia que ela não me queria por perto. E quando vi em sua câmera fotográfica suas fotos com aquele babaca, que ela chama de amigo, me enfureceu bastante. Tive que tomá-la como minha.
Mas logo minha raiva foi se dissipando e aí percebi que não era raiva que eu sentia. Era saudades! Selena está me fazendo sentir emoções variadas e desconhecidas. Isso está me levando a loucura. Não posso perder mais o controle desse jeito. Estou tão irreconhecível que pedi a Elena que não apareça na casa dos meus pais em meu aniversário. E ainda pedi Selena em namoro. Por um momento pensei seriamente em largar meu passado de merda e tê-la como ela merece, e talvez eu poderia ser tudo o que ela sempre sonhou. Mas suas palavras sensatas me chamaram de volta a Terra. Eu iria magoá-la, mesmo sem ter intenção. Não posso iludi-la de algo que não irá acontecer. E essa viagem não está ajudando em nada. Onde eu estava com a cabeça quando quis vir?! Olho para baixo e aliso as costas nuas de minha deusa, sim por que é isso que ela é.. uma deusa. Logo sinto uma calmaria me invadir. Sorrio com a visão que tenho dela. Está tão tranquila em seu sono.
– Meu anjo! - Sussurro, com um imenso sorriso nos lábios.
Logo desfaço meu sorriso ao ser atingido pela realidade. Eu deveria deixá-la. Ela já sofreu muito e merece ser feliz. E ainda está em tempo de fazer isso. Ela merece tudo de bom que a vida possa lhe dar e eu queria tanto ser esse alguém a lhe mostrar isso, mas não sou. Sou fodido demais para isso! Mas como vou fazer isso, se só o pensamento de tê-la longe de mim já me entristece?! Sou um filho da puta de um egoísta mesmo. Foda-se vou aproveitar a nossa estadia aqui em Barbados. Carpe Diem Jonas! E quando voltarmos, tudo será diferente. A tratarei como as outras para ter uma noção de onde está se metendo. Mostrarei a ela exatamente como sou e então ela poderá decidir se fica ou se vai embora de minha vida. Mas realmente não sei se conseguirei deixá-la ir. Não estava mentido quando disse isso ontem. Porra! Preciso de conversar com alguém urgentemente...

Pov de Selena.
Abro os olhos lentamente ao sentir os cabelos do peito de Nicholas espetando meu rosto. Logo sinto sua mão roçar em minhas costas e permaneço calada, na mesma posição, aproveitando essa sensação deliciosa. Olho para o seu peito e noto algumas cicatrizes. Como eu nunca notei isso ?! -Deve ser porque estava muito ocupada fodendo com ele para perceber isso– Meu subconsciente diz em deboche. Conto mentalmente as cicatrizes e ao todo são oito. Nossa, como será que ouve com ele?! Levanto meu olhar para Nicholas e me deparo com seu olhar cinzento brilhante vidrados em mim e seu sorriso de menino estampado.
– Bom dia, baby. - Ele diz com seu belo sorriso.
– Bom dia. - Digo baixinho e abro um sorriso.
– Dormiu bem ? - Pergunta. Balanço a cabeça em afirmativa e apoio meu queixo em seu peito, fitando-o melhor.
– E você ? - Pergunto.
– Muito bem. - Diz e vejo seus olhos escurecerem rapidamente. Me levanto, sentando em cima dele e me despreguiço, jogando a cabeça para trás. Quando volto meu olhar para ele, vejo-o com um sorriso sacana enquanto olha fixamente para mim. Sigo seu olhar com os meu e logo noto que está olhando para meus seios. Instintivamente, levo minhas mão á eles, tapando-os. – Não me diga que você ainda tem vergonha de mim, baby. - Diz, incrédulo.
– Ah.. - Digo nervosa, dando de ombros. – E então, o que faremos hoje? - Pergunto na tentativa de mudar de assunto.
– Surpresa. - Ele diz. Franzo a testa, na tentativa dele falar algo, mas ele da de ombros simplesmente. Debruço-me sobre ele e estreito os olhos para ele, que ri mas não diz nada. – Baby, quando nós vamos voltar? - Ele pergunta, alisando meu rosto.
– Nós ? - Pergunto, com um sorriso nos lábios.
– É, nós. - Diz e me da um selinho.
– Hoje. - Digo e ele arregala os olhos rapidamente.
– Hoje? - Ele praticamente grita, assustando-me.
– É Nicholas. Porque? - Pergunto, preocupada.
– Que horas? - Pergunta.
– A noite. Falar nisso tenho que reservar as passagens. - Digo, me levantando mas logo seus braços rodeia minha cintura, me impedindo.
– Não precisa. Iremos no meu jatinho. - Ele diz com seus sorriso arrogante nos lábios. Estreito os olhos para ele, mas logo sorrio. – Podemos viajar de madrugada, o que acha? - Olho-o pensativa.
– Hum.. são oito horas e meia de viagem e amanhã já é segunda. E eu não quero tirá-lo do trabalho. - Digo.
– Sou o dono, Selena. E para que ser dono, se eu não puder faltar um dia? - Diz.
– As onze da noite então, pode ser? - Pergunto.
– Por mim tudo bem. Mas preferia ir embora amanhã. - Ele diz e faz biquinho. Mordo o biquinho dele e logo dou-lhe um beijo casto.
– Nem adianta jogar esse charme para cima de mim, porque que não cairei. - Digo, me desvencilhando de seus braços e me levanto. – Agora vamos para o banho! - Digo, autoritária e ele ergue as sobrancelhas em surpresa.
– Prefiro o que eu tenho em mente. - Diz, abrindo o seu sorriso molha calcinha.
– Você sempre prefere isso, Nicholas! - Digo e rio. – Anda, venha! Se não irei tomar banho sozinha. - Digo, me encaminhando para o banheiro.
– Jamais, baby! - Ele pula da cama e vem atrás de mim.
Entramos o dois no chuveiro e assim desfrutamos de uma deliciosa e costumeira manhã de sexo no chuveiro.
***
Depois de sair do banho, Nicholas e eu tomamos o café da manhã no quarto, deitados na cama. Entre uma garfada e outra, trocamos muitas carícias, damos comida um na boca do outro. É surreal isso o que estamos vivendo em Barbados. Como dizem, carpe diem! Depois de acabar de tomar café, coloco um biquíni e uma saída de praia, já que faremos passeios aquáticos.
Enquanto coloco as coisas em minha bolsa de praia, olho de relance para Nicholas, que está apetitoso em uma bermuda jeans e uma camiseta branca. Seus cabelos desgrenhados, praticamente denuncia a foda maravilhosa que tivemos essa manhã. Em seguida saímos para desfrutar de nosso dia.

***
Depois de passar grande parte do dia fazendo atividades aquáticas como esqui-aquático, windsurf, mergulho com snorkel, Nicholas e eu resolvemos passear na praia. Caminhamos pelas areias de mãos dadas e conversando sobre coisas banais. Realmente eu devo estar em um sonho muito bom! E espero não ser acordada tão cedo.
– Então, você e esse Zac, hein.. - Nicholas diz, como quem não quer nada. Olho para ele e ele está olhando fixamente para frente.
– O que tem ele, Nicholas? - Pergunto, escondendo a risada.
– Nada. Só estava vendo as fotos em sua câmera e acho que ele tem muita intimidade com você. - Ele diz com a testa franzida, mas continua a olhar para frente.
Paro na sua frente, fazendo-o parar também e me olhar.
– Zac é só um amigo. Na verdade é um irmão. O irmão que eu nunca tive. - Digo sorridente, olhando para o nada e com o pensamento nas lembranças que Zac me traz.
– Eu acho que ele quer está na sua calcinha. - Ele diz e me faz direcionar os olhos para ele.
– Ai Nicholas, nada haver. - Reviro meus olhos para sua suspeita idiota.
– Não revire os olhos para mim. - Ele diz e estreita os olhos para mim.
Solto minha mão da sua, levando-as até minha cintura e inclinando a cabeça para o lado.
– Hum.. se eu revirar você vai fazer o que ? - Digo petulante.
Ele me olha fixamente por uns segundos e sorri em seguida.
– Farei isso.. - Ele diz e me agarra pela cintura, de um súbito.
– Nicholas! - Grito de surpresa e ele rir.
– Sem essa de Nicholas, baby. - Ele me pega no colo e me rodopia. Em seguida me deita na areia e se debruçando sobre mim. Olha no fundo dos meus olhos, com admiração e sorri. – Está tão linda com esse leve bronzeado. - Diz e passa uma das mãos em minha bochecha.
– Você quer dizer vermelha né. - Afirmo e faço biquinho.
– Não faça biquinho para mim, baby! - Ele sussurra lascivamente em meu ouvido e volta me fitar com seus olhos escurecidos.
– E você vai fazer o que? - Pergunto com a voz provocativa.
Ele sorri sensualmente e se levanta de um súbito. Em seguida me pega no colo novamente e corre comigo para a agua do mar.
– Não, não, não.. por favor não faça isso. - Suplico quanto percebo suas intenções, mas já é tarde.
Ele me lança na agua e eu afundo, molhando-me inteirinha. Quando volto a superfície, grito com ele em reprovação mas sua risada de garoto faz-me rir junto com ele. Agora sim ele aparenta ter a sua idade. Está tão jovial e radiante, como se tivesse rejuvenescido. Nem parece aquele CEO engomadinho. Me aproximo dele e jogo agua em seu rosto, fazendo-o rir mais e mais. Em seguida tiro minha saída de praia e jogo na areia. Ele vem até a mim, só de sunga e me toma em seus braços.
– Desculpa, baby! Mas quis fazer isso desde que começamos a andar pela praia. - Ele diz com seu belo sorriso.
– Nossa, muito bonito isso! Jogar uma pobre menina indefesa no mar. - Digo zombeteira.
– Eu não joguei uma pobre menina indefesa. Eu joguei a minha namorada. E ela é muito forte, por sinal - Diz e me pega em seu colo, deixando uma trilha de beijos do meu rosto até meu pescoço. em seguida, morde o lóbulo da minha orelha e sinto meu corpo entrar em guarda.
– Nicholas, estamos na praia! - Repreendo-o, mas ele não da importância e continua com suas carícias. Em seguida toma minha boca em um beijo cheio de promessas.
– Quero ter você aqui, baby! - Ele diz entre o beijo.
– É melhor não. - Digo, temerosa em ser flagrada.
– Shh, deixe-se levar. Carpe diem, baby! - Ele pede e assim não resisto mais, me entregando a ele. Enrolo minhas pernas em sua cintura e logo ele abaixa um pouco sua sunga. Sinto sua mão percorrer a calcinha de meu biquíni e puxá-la pra o lado. Em seguida ele entra em mim com toda maestria, fazendo-me arfar de tesão. – Tão pronta para mim. - Ele sussurra em meu ouvido, me estocando em um ritmo leve e sensual e assim nos perdemos um no outro ali mesmo, no mar....


Comentários... :)



Comentem
Creditos Angel

3 comentários:

  1. Que capitulo foi esse. Tipo maravilhoso. Posta mais plllz

    ResponderExcluir
  2. P-E-R-F-E-I-T-O , posta mais please <3

    ResponderExcluir